A reunificação do dano não patrimonial e a negação da categoria do “dano existencial”